Contigo nunca me perco, perdendo-me ! (Ricardo Santos)

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

SIC Abandonados – Ondaparque, Costa da Caparica

“Os Abandonados foram conhecer a história do Ondaparque. O que é feito do Ondaparque?

16 comentários:

  1. Amanhã voltarei para ver o vídeo ! Pelo nome tenho a impressão que foi neste parque aquático que morreu uma criança entalada nos tubos de saída de água . (?) ... Mão sei se estarei a fazer confusão, mas voltarei amanhã !
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não foi neste ! E forma duas crianças no Aquaparque (?) do Restelo !
      E foi por causa disso que este começou cada vez a ser menos frequentado e a legislação que saíu depois obrigava a medidas muito drásticas e segurança.

      Um Abraço Rui

      Eliminar
    2. Estive a ver, Ricardo e lá está. A fazerem referência ao Aquaparque !
      Tinha esse acidente das crianças na ideia ! :(
      Sem dúvida que as condições de segurança são primordiais nestes parques ! ... e um prejudicou o outro !
      Esperemos que a autarquia arranje uma boa solução para reaproveitamento desse espaço !

      Abraço, Ricardo !

      Eliminar
    3. Rui agora que a legislação está feita e sabe-se quais as condições de segurança para esses lugares, até fazia sentido voltar a reexplorar o local da mesma maneira. Acho que ia ser um sucesso durante de Maio/Junho a Agosto/Setembro.

      Obrigado e Abraço

      Eliminar
  2. Da fama ao declínio foi um passo.
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente Pedro. O acidente no Restelo fez "mossas", como seria de esperar. As Leis a regulamentar a segurança deveriam ter sido feitas antes de acontecerem as "desgraças".

      Por exemplo, se vires hoje, vendem "drones", que todos sabemos podem ser equipamentos de fotografia e de video "abusadores" da privacidade dos cidadãos, já para não falar no plano militar/terrorista (?). No entanto, acho que ainda não existe legislação feita sobre isto. Pergunto porquê ? Estão à espera que aconteça qualquer coisa para depois proibirem ou obrigarem as pessoas a pagar algum imposto-drone. Será ?

      Preocuparam-se com algo como a legislação para os "Piropos". Ridículo !!!

      Obrigado Pedro e um Abraço

      Eliminar
  3. Faz alguma impressão ver o que era e como está.
    Espero que em breve encontrem alternativas para que se faça algo que sirva as populações e que seja mais apelativo à vista.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois faz Manuela. Penso que deveriam pegar naquilo e havendo, penso eu, actualmente, legislação sobre o assunto, voltar a reactivar aquele espaço. Certamente que iria funcionar sem prejuízos !

      Obrigado

      Eliminar
  4. Não sou muito fã deste tipo de parques, mas do que não há dúvida é que aquela infelicidade da morte das duas crianças no Restelo fez com que as pessoas deixassem de ter confiança nestes espaços. Por mim, acho uma pena ver isto degradado desta maneira...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A degradação de ambientes agradáveis e que foram as delícias de muitos causa-me também a mim, muita tristeza. Um exemplo que foi ressuscitado ao fimde muitos anos, foi a piscina dos Olivais que agora tem lá instalado um clube de "fitness" !

      Obrigado Teresa

      Eliminar
  5. Passo todos os dia junto às "ruínas" daquele que foi, salvo erro, o primeiro parque aquático do Algarve. É junto à EN 125 perto das Quatro Estradas (Loulé. Estou aqui a tentar lembrar-me de como se designava e não está fácil...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu lembro-me desse parque. Lembro-me nas notícias de ouvir falar nele.
      Não seria o Atlantic Park ?

      Obrigado Luísa

      Eliminar
  6. Respostas
    1. Andei a pesquisar por curiosidade e porque também, como disse, me lembrava desse parque aquático. Tive a sorte de encontrar.

      Obrigado Luísa

      Eliminar
  7. Boa noite caríssimo Ricardo Santos,

    Obrigado por focar este assunto, é sempre bom perceber que o antigo, lendário e agora nostálgico parque aquático Ondaparque, é ainda relembrado com um toque de puro saudosismo dos verões passados onde este foi grandioso no seu tempo.

    O parque, apesar da elevada magnitude de vandalismo continuado sofrido após o seu encerramento em Julho de 1996, apresenta uma aparência de certa forma elegante, cujo os contornos da sua infra estrutura característica dos anos 80 permanecem sólidos e plausíveis a uma recuperação com sucesso.

    Porém as limitações que o parque detém hoje, já se reflectiam nos anos 90, quando o desenho original do Ondaparque previa uma capacidade máxima instantânea de 2500 pessoas. Apesar da capacidade total de plano de água, de todas as suas 6 piscinas, permitir capacidades entre 3500 a 4000 pessoas, as suas infraestrutura de apoio eram limitativas, e dada a sua construção específica para um fim desenhado nas telas iniciais, hoje estas estruturas não só são insuficientes como ainda limitam a adaptação necessária à requalificação do Ondaparque.

    Desempenho funções no Ondaparque desde 2010, nestas funções executei diversos trabalhos de preparação e reestruturação das tubagens e agrupamentos técnicos existentes nas respectivas 4 casas de máquinas. Estes trabalhos de preparação foram solicitados no âmbito de análises de estudos de viabilidade, e respectivos orçamentos. O facto destas estruturas terem estado longos anos submersas, foi um factor positivo na medida em que preservou todo o PVC existente. No entanto equipamentos como Filtros, Baterias de válvulas, Falanges e bocas de carga perderam qualquer possibilidade de requalificação.

    Hoje, de acordo com a directiva CNQ 23/93 e respectivo DR Nº5/97 de 31 de Março, os agrupamentos de filtração teriam de ser amplamente alterados para equipamentos de dimensão superior. Esta alteração obriga a substituição de toda a tubagem de entrada e saída, bem como a alteração fundamental do aumento de capacidade dos respectivos tanques de compensação. São estas as alterações que limitam a requalificação do lendário Ondaparque.

    O custo necessário para adaptação de todo o parque ao abrigo das directivas actualmente vigentes, seria astronómico e tangente ao custo previsto para a construção de um parque de raiz.

    No entanto, o Ondaparque detém um factor muito positivo, ou seja, as 6 piscinas em betão existentes. Estas estruturas, não apresentam qualquer dano estrutural visível que comprometa as suas propriedades de estanquicidade, a qualidade dos materiais usados (muito superior à actualmente usada) preserva em pleno todos os tanques existentes. Apesar dos testes de retenção terem sido positivos, não é possível confirmar se alguma das lajes de betão do chão das piscinas deixou de estar totalmente assente, o que poderia provocar uma galaria subterrânea por baixo da piscina originando que esta cedesse com o peso da água.

    São muitas as questões técnicas que se colocam face à ideia de requalificação deste memorável parque, algumas estruturas estão perfeitamente ao abrigo legal, outras precisariam de total reconstrução. Para além destes factos, residem as questões que apenas são possíveis de determinar com o parque em pleno funcionamento, e que em termos práticos poderá considerar um risco ao nível financeiro / empreendedor.

    Muito tem sido feito no Ondaparque, desde trabalhos no terreno, levantamentos técnicos, análises legais, até ao planeamento da sua total requalificação. Foi criado um grupo e página no Facebook no intuito de dinamizar este nome intemporal, mas tem sido de extrema dificuldade, incutir na capacidade de investimento Nacional, a ideia de requalificar aquele que foi durante 8 anos, o maior e mais prestigiado parque aquático do país.

    Obrigado pela publicação.
    Cumprimentos
    Helder Nogueira

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Helder Nogueira

      Estou muitíssimo agradecido pela sua excelente e elucidativa exposição sobre o Ondaparque que alegrou a vida de muitos seres humanos.
      Eu moro "pegado" a Lisboa e tenho um exemplo idêntico, a piscina dos Olivais que finalmente, espero eu, ter ressurgido das trevas porque passou durante alguns anos.

      É lamentável que se façam estudos e depois não haja alguém que perceba a necessidade social destes empreendimentos que tiram a nossa juventude da droga e de outras "desgraças" que não levam a nada. E o Ondaparque era um sítio maravilhoso, é uma pena perder-se !

      Mais uma vez obrigado pela sua longa, mas muito boa, explicação. Acredito que por si, se pudesse, o Ondaparque voltaria a ter um lugar entre os "vivos".

      Obrigado

      Eliminar

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.