Contigo nunca me perco, perdendo-me ! (Ricardo Santos)

sábado, 24 de março de 2018

Moody Blues (7)

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)

Os “Moody Blues” foram um grupo que segui até 1971, com o álbum “Seventh Sojourn”. Até aí ouvi e coleccionei os “vinil”, depois, somente os segui, amiúde. Hoje tenho toda a discografia deles. Sempre me agradaram bastante, pela sua música trabalhada e muito bem executada, muitas das vezes acompanhada por orquestra. Por aqui no “O Pacto Português”, e durante algumas semanas (um álbum por semana, até ao “Seventh Sojourn), vou dar-vos um pouco das melodias e do “Rock” deste agrupamento, e também algumas palavras sobre os “MB” (biografia) e análise dos álbuns por críticos musicais. A análise dos álbuns dos “Moody Blues” foram traduzidas do sítio do AllMusic.com e da Wikipedia (versão inglesa). Não sei as análises da AllMusic.com,  são da época ou actuais, mas valem o que valem e como sempre tenho dito, sou um melómano amador e não sei ler uma pauta musical, embora tenha a certeza que não conseguiria viver sem ela.

The Moody Blues (Birmingham, Maio 1964 – 20xx)

The Moody Blues são uma banda de Rock Inglês. Entre algumas das suas inovações para a época conta-se com a fusão com a música clássica. Isto é evidente, e principalmente, no excelente álbum, de 1967, “Days Of Future Passed”.
The Moody Blues venderam mais de 70 milhões de álbuns em todo o mundo e obtiveram 14 discos de ouro e platina. A partir de 2012 eles permanecem activos, com um membro da banda original de 1964, John Lodge, e mais dois a partir da linha 1967, Justin Hayward e Graham Edge.

Discografia:

The Magnificent Moodies (1965)
Days of Future Passed (1967)
In Search of the Lost Chord (1968)
On the Threshold of a Dream (1969)
To Our Children's Children's Children (1969)
A Question of Balance (1970)
Every Good Boy Deserves Favour (1971)
Seventh Sojourn (1972)
Octave (1978)
Long Distance Voyager (1981)
The Present (1983)
The Other Side of Life (1986)
Sur la Mer (1988)
Keys of the Kingdom (1991)
Strange Times (1999)
December (2003)

Etiquetas - Decca, Deram, Threshold, Polydor, Universal, Ark 21, Eagle, Image.
Membros actuais - Graeme Edge, John Lodge e Justin Hayward.
Membros anteriores - Ray Thomas, Michael Pinder, Denny Laine, Clint Warwick, Rodney Clark e Patrick Moraz.


 Álbum (vinil) - Every Good Boy Deserves Favour (1971), Threshold THS 5. Gravado em Novembro de 1970 e entre Janeiro e Março de 1971. Editado em 23 de Julho de 1971.

Em “Every Good Boy Deserves Faviour” (1971), do qual a composição "The Story In Your Eyes" de Hayward foi lançada em single e subiu ao lugar 23 nas tabelas de vendas dos EUA, a banda voltou ao seu som clássico de orquestral que, embora difícil de reproduzir em concerto, se tornou a sua marca registada. O título "Every Good Boy Deserves Favour" foi emprestado, da língua materna, de uma mnemónica usada para lembrar as notas musicais que formam as linhas “Treble Key”, EGBDF. A canção na faixa de abertura, "Procession", foi a única composta por todos os cinco membros da banda, uma faixa fascinante que descreve a "evolução" da música, inytroduzindo as músicas seguintes: "Story in Your Eyes" de Justin Hayward; "Our Guessing Game" e “Nice To Be Here" de Ray Thomas; "You Can Never Go Home" de Justin Hayward, "One More Time To Live" de John Lodge e "My Song" de Mike Pinder. Graham Edge, o poeta, de longa data, começou a escrever letras destinadas a serem cantadas, em vez de versos a serem falados, como anteriormente o teria feito, é o caso de "After You Came".

Formação do álbum “Every Good Boy Deserves Favour": Justin Hayward (vocais, guitarras e cítara), John Lodge (vocais, baixos e harpa), Ray Thomas (vocais, flauta, e pandeireta), Graeme Edge (vocais, bateria acústica e eléctrica e percussão) e Mike Pinder (vocais, teclas e sintetizador).
Melhor classificação, Álbum: 3º. Lugar “Billboard 200” em 1972 e Tema “Nights In White Satin” 2º. Lugar “Billboard Hot 100” em 1972.

The Story in Your Eyes, de Justin Hayward.


Emily's Song, de Mike Pinder, na versão ao vivo… e


…em versão estúdio


Nice to Be Here, de Ray Thomas.


My Song, de Mike Pinder.

6 comentários:

  1. Vejo que temos "Moody Blues" para toda a semana, Ricardo.
    Para agora, entre os dois que ouvi, optei por estar bem aqui, na companhia da bicharada, que o ritmo agradou-me imenso. Portanto, Nice to be here, para agora. Também gostei da versão de estúdio de Emily's Song.
    Obrigada, Ricardo.

    Boa semana, um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este álbum é maravilhoso, um dos que gosto mais. A conjugação dos instrumentos de música pop/rock e da orquestra, é nos "Moody Blues", um dos seus melhores cartões de visita. Escolheste bem esses dois temas, são bem bonitos !
      Obrigado Janita

      Eliminar
  2. Estes são dos tais que ficam para sempre.
    Mas que nunca conseguiram nada de semelhante a Nghts in White Satin.
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Opinião que respeito, mas não perfilho. Embora ache que "Nights in White Satin" é uma composição soberba, gosto imenso de muitas outras !!!
      Obrigado e Abraço Pedro

      Eliminar
  3. Vê-se bem, por estas publicações tão cuidadas, a grande paixão que tens por este grupo.
    E agora que chegamos ao álbum de 1971, já só falta mais uma publicação... a menos que entretanto decidas continuar!...

    Beijinhos musicais
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tenho 7 álbuns de vinil e foram os primeiros que coleccionei e que a partir daí deixei de seguir amiúde. No entanto, eles publicaram mais uns quantos e a banda é para mim uma das melhores neste género de rock com instrumentação adicional de orquestra !
      Vou parar por aqui ou não, ainda não decidi. Este tipo de trabalhos dá trabalho ! :)
      Obrigado Afrodite

      Eliminar

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.