Contigo nunca me perco, perdendo-me ! (Ricardo Santos)

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Patchworks of Music Glued (8)

Pudesse eu, faria uma viagem que só terminaria, quando finalmente te avistasse ao longe. Desceria suavemente e envolver-te-ia com os meus braços. Sei que estás por aí a olhar os céus, numa espera interminável...



Foto minha, "batida" em Dezembro de 2016, na Ilha Terceira.

Música, do "Pat Metheny Group", extraída do álbum “First Circle” de Julho 1984, para a etiqueta “ECM”. A composição “If I Could”, composta por Pat Metheny.

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Juca Chaves (1)

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)

Embora muitas das piadas e composições do Juca Chaves (Jurandyr Czaczkes Chaves) estejam dirigidas para o público brasileiro e com assuntos relativos ao Brasil, fica aqui a minha homenagem, enquanto vivo, de um dos melhores humoristas brasileiros de todos os tempos. Homem polémico, perseguido muitas vezes pelo poder institucional, com uma graça extrema e algumas vezes ousada.
Aqui ficam algumas das suas mais famosas composições. Muitos dos discos que ele produziu estão carregados e completos, no Youtube. Se tiverem tempo e quiserem rir, é procurá-los. Sugiro pelo um deles, “Ninguém Segura este Nariz” de 1974, 40 minutos de muito boa disposição.


Juca Chaves (22-10-1938) – É um compositor, músico e humorista brasileiro...

A Cúmplice


Cagar é Bom Demais

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Xutos e Pontapés – Nascidos Aqui (14)

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)

Xutos e Pontapés (1978) – Não vem em jeito de homenagem, mas esta era e é, a banda do Zé Pedro !

O Mundo ao Contrário, do álbum com o mesmo nome, de 2004.


Homem do Leme, do álbum “Cerco” de 1985.


À Minha Maneira, do álbum “88” de 1988.


Remar, Remar, para o álbum “Johnny Guitar” de 1993.

sábado, 3 de fevereiro de 2018

Moody Blues (6)

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)

Os “Moody Blues” foram um grupo que segui até 1971, com o álbum “Seventh Sojourn”. Até aí ouvi e coleccionei os “vinil”, depois, somente os segui, amiúde. Hoje tenho toda a discografia deles. Sempre me agradaram bastante, pela sua música trabalhada e muito bem executada, muitas das vezes acompanhada por orquestra. Por aqui no “O Pacto Português”, e durante algumas semanas (um álbum por semana, até ao “Seventh Sojourn), vou dar-vos um pouco das melodias e do “Rock” deste agrupamento, e também algumas palavras sobre os “MB” (biografia) e análise dos álbuns por críticos musicais. A análise dos álbuns dos “Moody Blues” foram traduzidas do sítio do AllMusic.com e da Wikipedia (versão inglesa). Não sei as análises da AllMusic.com,  são da época ou actuais, mas valem o que valem e como sempre tenho dito, sou um melómano amador e não sei ler uma pauta musical, embora tenha a certeza que não conseguiria viver sem ela.

The Moody Blues (Birmingham, Maio 1964 – 20xx)

The Moody Blues são uma banda de Rock Inglês. Entre algumas das suas inovações para a época conta-se com a fusão com a música clássica. Isto é evidente, e principalmente, no excelente álbum, de 1967, “Days Of Future Passed”.
The Moody Blues venderam mais de 70 milhões de álbuns em todo o mundo e obtiveram 14 discos de ouro e platina. A partir de 2012 eles permanecem activos, com um membro da banda original de 1964, John Lodge, e mais dois a partir da linha 1967, Justin Hayward e Graham Edge.

Discografia:

The Magnificent Moodies (1965)
Days of Future Passed (1967)
In Search of the Lost Chord (1968)
On the Threshold of a Dream (1969)
To Our Children's Children's Children (1969)
A Question of Balance (1970)
Every Good Boy Deserves Favour (1971)
Seventh Sojourn (1972)
Octave (1978)
Long Distance Voyager (1981)
The Present (1983)
The Other Side of Life (1986)
Sur la Mer (1988)
Keys of the Kingdom (1991)
Strange Times (1999)
December (2003)

Etiquetas - Decca, Deram, Threshold, Polydor, Universal, Ark 21, Eagle, Image.
Membros actuais - Graeme Edge, John Lodge e Justin Hayward.
Membros anteriores - Ray Thomas, Michael Pinder, Denny Laine, Clint Warwick, Rodney Clark e Patrick Moraz.


Álbum (vinil) - A Question Of Balance (1970), Threshold THS 3. Gravado entre 17 de Janeiro e 6 de Junho de 1970. Editado em 7 de Agosto de 1970.

Embora os Moodies já definissem um estilo bem próprio e um pouco psicadélico, e ajudassem a definir o som do rock progressivo (então também conhecido como 'rock art'), o grupo decidiu gravar um álbum que poderia ser tocado em público. Este álbum, atingindo o número 3 de vendas nas tabelas norte-americanas e o número 1 nas britânicas, foi, também, indicativo do crescente sucesso da banda na Estados Unidos da América. Aliás, parece ter sido um dos primeiros álbuns de rock que abordaram a questão da ecologia (exemplo: We'll spoil the seas with the rivers we've lost, de Edge's na composição "Don't You Feel Small". A composição "Question" de Hayward (numa versão diferente) foi emitida como single, alcançando o número 2 de vendas no Reino Unido, mantida abaixo do primeiro lugar apenas pela canção "Back Home" da “England World Cup Football”. Justin Hayward começou numa exploração artística dos tons da guitarra através do uso de numerosos pedais de efeitos sonoros e desenvolveu para si mesmo um som de guitarra e solo, muito melódico. Os “Moody Blues” já se tinham tornado por si só e por direito próprio, um “Top” de tabelas de vendas. Eles apareceram duas vezes no famoso “Festival Isle of Wight”. Um DVD da sua actuação neste Festival, foi lançado em 1970. O "Melancholy Man" de Pinder (single número 1, em França) destacou-se ao lado de "Question" de Hayward, neste álbum de 1970.

Formação do álbum “A Question Of Balance": Justin Hayward (vocais, guitarras e bandolim), John Lodge (vocais, baixos e harpa), Ray Thomas (vocais, flauta, e pandeireta), Graeme Edge (vocais, bateria e percussão) e Mike Pinder (vocais, teclas e sintetizador).
Melhor classificação, Álbum: 3º. Lugar “Billboard 200” em 1972 e Tema “Nights In White Satin” 2º. Lugar “Billboard Hot 100” em 1972.


It's Up to You, de Justin Hayward, em versão acústica e,…


… em versão estúdio


Dawning Is the Day, de Justin Hayward.


Melancholy Man, de Mike Pinder, em versão ao vivo, e…


… em versão estúdio


Question, de Justin Hayward.

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Faz Hoje Anos (21) – Eva Cassidy, (22) – Melody Gardot, (23) – Sonny Stitt e (24) – Stan Getz

Faz hoje 55 anos... Parabéns !!!

Eva Cassidy (02-02-1963 – 02-11-1996), na composição “Songbird” de 2001, para o álbum com o mesmo nome.


Faz hoje 33 anos... Parabéns !!!

Melody Gardot (02-02-1985), com a composição “Summertime”, de George Gershwin, da ópera “Porgy and Bess” de 1935.


Faz hoje 94 anos... Parabéns !!!

Sonny Stitt (02-02-1924 – 22-07-1982), decorria o ano de 1971. Gravado no Tivoli em Copenhaga, Dinamarca. O grupo “The Jazz Giants” com Dizzy Gillespie (trompete), Kai Winding (trombone), Sonny Stitt (saxofone), Al McKibbon (contrabaixo) e Art Blakey (bateria), na composição “Everything Happens to Me” de 1940, com música de Matt Dennis e letra de Thomas Adair.


Faz hoje 91 anos... Parabéns !!!

Stan Getz (02-02-1927 – 06-06-1991), com a composição “Wave” de António Carlos Jobim, composta em 1967 para o álbum com o mesmo nome. Aqui em Copenhaga (1970), Dinamarca.

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Delfins (8) Vejam Bem

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)

Músicas do CD Duplo “Os Filhos da Madrugada” editado em 27 de Abril de 1994, onde o Grande José Afonso, foi homenageado pelos artistas das principais bandas portuguesas. É também a minha homenagem a esta figura IMPORTANTÍSSIMA na vida musical portuguesa e no respeito que demonstrava e defendia pela liberdade de todos os cidadãos.

José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos (Aveiro, 02-08-1929 – Setúbal, 23-02-1987)


 Desenho meu, feito a lápis de carvão, no ano de 1988, após a morte do Artista

Delfins (1984 – 2009, último concerto da banda)




Vejam bem
que não há só gaivotas em terra
quando um homem se põe a pensar
quando um homem se põe a pensar
Quem lá vem
dorme à noite ao relento na areia
dorme à noite ao relento no mar
dorme à noite ao relento no mar
E se houver
uma praça de gente madura
e uma estátua
e uma estátua de de febre a arder
Anda alguém
pela noite de breu à procura
e não há quem lhe queira valer
e não há quem lhe queira valer
Vejam bem
daquele homem a fraca figura
desbravando os caminhos do pão
desbravando os caminhos do pão
E se houver
uma praça de gente madura
ninguém vem levantá-lo do chão
ninguém vem levantá-lo do chão
Vejam bem
que não há só gaivotas em terra
quando um homem
quando um homem se põe a pensar
Quem lá vem
dorme à noite ao relento na areia
dorme à noite ao relento no mar
dorme à noite ao relento no mar

sábado, 27 de janeiro de 2018

Rodrigo Leão – Nascidos Aqui (13)

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)

Rodrigo Leão (15-10-1964) , compostior e músico português, nascido em Lisboa e figura de destaque em bandas como “Sétima Legião” e “Madredeus”.

Espelhos, do álbum de 2000, “Alma Mater”.


Ave Mundi, de Rodrigo Leão e Francisco Menezes, do álbum “Ave Mundi Luminar” de 1993. Com os “Vox Ensemble” e a voz de Ângela Silva.


Imortal, do álbum de 2000, “Alma Mater”. Voz de Ângela Silva.


Pásion, Rodrigo Leão e Lula Pena, do álbum “Pásion” de 2001.