Contigo nunca me perco, perdendo-me ! (Ricardo Santos)

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Delfins (8) Vejam Bem

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)

Músicas do CD Duplo “Os Filhos da Madrugada” editado em 27 de Abril de 1994, onde o Grande José Afonso, foi homenageado pelos artistas das principais bandas portuguesas. É também a minha homenagem a esta figura IMPORTANTÍSSIMA na vida musical portuguesa e no respeito que demonstrava e defendia pela liberdade de todos os cidadãos.

José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos (Aveiro, 02-08-1929 – Setúbal, 23-02-1987)


 Desenho meu, feito a lápis de carvão, no ano de 1988, após a morte do Artista

Delfins (1984 – 2009, último concerto da banda)




Vejam bem
que não há só gaivotas em terra
quando um homem se põe a pensar
quando um homem se põe a pensar
Quem lá vem
dorme à noite ao relento na areia
dorme à noite ao relento no mar
dorme à noite ao relento no mar
E se houver
uma praça de gente madura
e uma estátua
e uma estátua de de febre a arder
Anda alguém
pela noite de breu à procura
e não há quem lhe queira valer
e não há quem lhe queira valer
Vejam bem
daquele homem a fraca figura
desbravando os caminhos do pão
desbravando os caminhos do pão
E se houver
uma praça de gente madura
ninguém vem levantá-lo do chão
ninguém vem levantá-lo do chão
Vejam bem
que não há só gaivotas em terra
quando um homem
quando um homem se põe a pensar
Quem lá vem
dorme à noite ao relento na areia
dorme à noite ao relento no mar
dorme à noite ao relento no mar

sábado, 27 de janeiro de 2018

Rodrigo Leão – Nascidos Aqui (13)

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)

Rodrigo Leão (15-10-1964) , compostior e músico português, nascido em Lisboa e figura de destaque em bandas como “Sétima Legião” e “Madredeus”.

Espelhos, do álbum de 2000, “Alma Mater”.


Ave Mundi, de Rodrigo Leão e Francisco Menezes, do álbum “Ave Mundi Luminar” de 1993. Com os “Vox Ensemble” e a voz de Ângela Silva.


Imortal, do álbum de 2000, “Alma Mater”. Voz de Ângela Silva.


Pásion, Rodrigo Leão e Lula Pena, do álbum “Pásion” de 2001.

sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

A Contar pelos Dados (8) – Um dia de cada vez, mas passa depressa !


Ele crescia a olhos vistos e tinha uma paixão grande por jogar à bola. O pai tinha-lhe oferecido uma bola, do último Europeu, quando Portugal tinha ganho. Ele ficou louco e todos os dias, depois de chegar a casa e fazer os deveres escolares, havia chutos no esférico.

Convidava um ou dois amigos lá para casa e no quintal existente nas traseiras, eles já lá tinham baliza improvisada e até às 18:00, altura em que o Sol começava a cair no horizonte, era pontapé que fervia !...
O pai quando chegava do trabalho, ia para a janela que dava para o quintaleco, vê-los jogar. Algumas vezes sentiu-se tentado a descer e ir dar, também, uns chutos.
Depois o jogo acabava e iam refrescar-se. A Mãe fazia-lhes um jarro cheio de limonada e cada um tinha um copo com uma palhinha, por onde a bebiam.

Tinha já ele os seus 14 anos e as jogatanas não paravam. Um dia algo mudou na vida do Francisco, à conta do futebol e de um chuto que fez a bola transpor para outro quintal. Foi à arrecadação pegou num pequeno escadote, subiu e pulou para o quintal ao lado. Apanhou a bola. No regresso, tentou subir o muro, mas não estava fácil.
Na janela estava uma miúda ruiva, com o nariz cheio de sardas e uns lindos olhos castanhos. A rapariga presenciava Francisco na tentativa inglória de retornar ao seu quintal. Francisco parou e pressentiu que estava a ser observado. Tentou justificar-se, com a verdade. Madalena sorriu-lhe e disse que esperasse porque ela o iria ajudar. De dentro de casa trouxe uma escada e após uma breve conversa entre os dois, Francisco conseguiu regressar.

No dia seguinte o quintal do Francisco encontrava-se vazio. A bola dentro de um caixote, a baliza improvisada, arrumada na arrecadação. De João e Paulo nem vivalma. Por onde andaria o Francisco ?!
Quando Eduardo chegou do trabalho e perguntou à mulher pelo filho, Clotilde disse-lhe que o Francisco tinha ido ter com a Madalena, filha dos vizinhos do lado. O Pai percebeu que a loucura pela bola tinha desaparecido, Francisco crescera.

Também ele, tinha tido uma paixão pelo futebol. Chegou a ir para uma escola que o Pai insistiu que frequentasse. Um dia, tal como Francisco, Eduardo conheceu Clotilde, deveria ter sido há 30 e tal anos. Lembrava-se perfeitamente que a levara a passear. A geladaria do bairro, uma novidade na altura, vendia gelados muito bons e saborosos. Clotilde pediu um cone de 3 sabores, baunilha, chocolate e morango. Eduardo pagou e ficou sem dinheiro, disfarçando e argumentando que não gostava de gelados. As saudades desse tempo bateram-lhe na cabeça e no coração.

Francisco chegara. Beijou a Mãe e o Pai.

- Onde foste filho ? perguntou Clotilde.
- Não me digas que foste comer um gelado com a Madalena !? acrescentou o Pai.
- O Pai já sabe, a Mãe contou-lhe !? Gosto muito dela !... Não, não fui comer um gelado, fui andar de bicicleta !

A tarefa que o casal se propusera estava no bom caminho.

Eduardo abraçou Clotilde e deu-lhe um beijo na cara. Francisco juntou-se ao abraço.

sábado, 20 de janeiro de 2018

Patchworks of Music Glued (7)

A minha viagem interminável passava sempre pela terra dos meus sonhos. A terra da juventude, aquela onde fui feliz durante os tempos em que a vida ainda era uma desconhecida para mim. Cruzava os céus, como se fosse uma gaivota à procura de comida, para saciar a minha fome.



Foto minha, "batida" no dia 30 de Janeiro de 2010, em Sesimbra.

Música, do "Pat Metheny Group", extraída do álbum “Imaginary Day” de Outubro de 1997, para a etiqueta “Warner Bros.”. A composição “Across The Sky”, composta por Pat Metheny.

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Jazz Standards (168)

(Dados Biográficos In Wikipédia e In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)

(Sobre o tema em questão, algumas palavras retiradas de “in
http://www.jazzstandards.com/compositions/index.htm” - adaptação e tradução por Ricardo Santos)

Somebody Loves Me  (#172) - Música de George Gershwin e Emilia Renaud, e Letra de BG De Sylva e Ballard MacDonald

George Gershwin contributed the music to George White’s Scandals of 1924, and vocalist Winnie Lightner introduced this classic in the show. Paul Whiteman’s version of the tune hit the charts in November, 1924, and zipped into first place:

George Gershwin contribuiu com a música para o espectáculo “George White’s Scandals” de 1924 e o vocalista Winnie Lightner apresentou este clássico. A versão de Paul Whiteman e Orquestra desta melodia, atingiu as tabelas de vendas em Novembro de 1924 e foi para o primeiro lugar:

Paul Whiteman e Orquestra, (1924, Nº. 1)
Ray Miller e Orquestra (1924, Nº. 4)
Marion Harris (1925, vocal, Nº. 7)
Cliff Edwards (1925, vocal, Nº. 11)
“Four Lads” (1952, vocal, Nº. 22)
 
Os “George White’s Scandals” de 1924 estrearam no Teatro Apollo de Nova York em 30 de Junho de 1924 e terminaram em 13 de Dezembro após 196 apresentações. Foi o quarto e último “escândalo” pelo qual Gershwin escreveu a música e o segundo para o letrista B. G. "Buddy" DeSylva.

Doris Day (Cincinnati, Ohio, USA, 03-04-1924) e Gene Nelson (Astoria, Oregon, EUA, 24-03-1920 – Los Angeles, California, EUA, 16-09-1996) – Cena do filme “Lullaby From Broadway”, musical da Warner Brothers de 1951


Lester Young (Woodville, Kansas City, Mississippi, EUA, 27-08-1909 - New York, EUA, 15-03-1959), Nat King Cole (Montgomery, EUA, 17-03-1919 — Santa Monica, EUA, 15-02-1965) e Buddy Rich (Brooklyn, New York, EUA, 30-09-1917 - Los Angeles, EUA, 02-04-1987) – Lester Young (saxofone tenor), Nat King Cole (piano) e Buddy Rich (bateria), Dezembro de 1945 em Los Angeles.


Blackwood Brothers (1934) e JD Sumner (Lakeland, Flórida, EUA, 19-11-1924 – 16-11-1998) – Membros: JD Sumner, Cecil Blackwood, James Blackwood, Bill Shaw e Whitey Gleason.


Julie London (Santa Rosa, EUA, 26-09-1926 - Encino, EUA, 18-10-2000) -


Letra

Somebody loves me, I wonder who
I wonder who she can be
Somebody needs me, I wish that I knew
Who she can be worries me
Every girl who passes by, I shout
"Hey, maybe you were meant to be my lovin' baby"
(You were meant to be my baby)
Somebody loves me, I wonder who
Maybe it's you
Won't you believe me?
Somebody loves me, I wonder who
I wonder who that baby can be
She's a killer, thriller
Somebody wants me, I wish that I knew
Who she can be worries me
Every girl who passes by, I shout
"Hey, maybe you were meant to be my ever lovin' baby"
(Hey, maybe baby, it's you)
Somebody loves me, I just wonder who
Or maybe, maybe, maybe it's you

Lamento, algumas eventuais falhas nas letras, encontradas na Internet, devido à própria improvisação dada pelos seus intérpretes, e muitas vezes de difícil entendimento. (Ricardo Santos).

domingo, 14 de janeiro de 2018

Ennio Morricone (5)

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)

Aqui durante algumas semanas vão ficar a conhecer algumas (poucas) composições do compositor Ennio Morricone.

Ele compôs e organizou para mais de 500 produções de filmes e televisão. Morricone é considerado um dos compositores de filmes mais influentes e mais vendidos desde o final da década de 1940.

Ele vendeu mais de 70 milhões de discos em todo o mundo, incluindo 6,5 milhões de álbuns e singles em França, mais de três milhões nos Estados Unidos e mais de dois milhões de álbuns na Coréia.

Em 1971, o compositor recebeu o seu primeiro disco dourado para a venda de 1.000.000 de discos em Itália e um "Targa d'Oro" para as vendas mundiais de 22 milhões.

Ennio Morricone (10-11-1928)

Giù La Testa (1972), interpretada por orquestra em 10 de Novembro de 2007.


Mon Ami de Toujours (1975), interpretada por Mireille Mathieu.


Once Upon a Time in the West (1976), banda sonora do filme de Sergio LeoneEra Uma Vez No Oeste”.

sábado, 13 de janeiro de 2018

Faz Hoje Anos (20) – Joe Pass

Faz hoje 89 anos... Parabéns !!!

Joe Pass (13-01-1929 – 23-05-1994), na composição “Misty”, escrita em 1954.

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Eyes Thru Glass (26) – Foz do Arelho

Aqui neste blogue e no “Eyes thru Glass“ mostro aquilo que os meus olhos vêem, através da objectiva.

Aqui ficarão somente as fotos, sem texto ficcional e sem música, apenas uma breve introdução, onde são tiradas e quando, e eventualmente alguma especificação técnica. Cliquem sobre a primeira foto para poderem vê-las em formato maior.

No dia 3 de Janeiro de 2015 andei pela Foz do Arelho a fotografar.





domingo, 7 de janeiro de 2018

Ritual Tejo (7) Canto Moço

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)

Músicas do CD Duplo “Os Filhos da Madrugada” editado em 27 de Abril de 1994, onde o Grande José Afonso, foi homenageado pelos artistas das principais bandas portuguesas. É também a minha homenagem a esta figura IMPORTANTÍSSIMA na vida musical portuguesa e no respeito que demonstrava e defendia pela liberdade de todos os cidadãos.

José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos (Aveiro, 02-08-1929 – Setúbal, 23-02-1987)


Desenho meu, feito a lápis de carvão, no ano de 1988, após a morte do Artista

Ritual Tejo (década de 90)



Somos filhos da madrugada
Pelas praias do mar nos vamos
À procura de quem nos traga
Verde oliva de flor no ramo
Nave gamos de vaga em vaga
Não sou bemos de dor nem mágoa
Pelas praias do mar nos vamos
À procura de manhã clara
Lá do cimo de uma montanha
Acendemos uma fogueira
Para não se apagar a chama
Que dá vida na noite inteira
Mensageira pomba chamada
Mensageira da madrugada
Quando a noite vier que venha
Lá do cimo de uma montanha
Onde o vento cortou amarras
Largaremos p'la noite fora
Onde há sempre uma boa estrela
Noite e dia ao romper da aurora
Vira a proa minha galera
Que a vitória já não espera
Fresca, brisa, moira encantada
Vira a proa da minha barca.

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

CinemaScope (10)

Retomo uma rúbrica que existia neste blogue, em rodapé e que possivelmente passou despercebida a muitos que me visitavam, por estar mesmo lá no fim da minha página.

É música claro ! O que estavam à espera ?

São composições que me dizem muito, porque sou um romântico e um eterno apaixonado por música, pelas outras artes, pela humanidade, pelos amigos que encontrei na blogosfera, pela Natureza, pela vida, no fundo, pelas coisas boas desta sociedade em que vivemos.

Desta vez os registos, enquanto não apagados ou eliminados do Youtube, ficarão por cá, com uma única etiqueta “CinemaScope”.

Um músico excepcional que compôs para multidões, em espectáculos grandiosos, muitas vezes com fogo de artíficio. Gostaria de ter assistido a um destes dois concertos, dos quais vão ouvir de seguida duas composições, O artista é francês, Jean-Michelle Jarre (24-08-1948). O primeiro músico ocidental a tocar na República Popular da China.

“Revolutions”, do álbum “Destination Docklands” (1989), gravado nas docas de Londres.


“Fishing Junks at Sunset”, do álbum “Concertos da China”, de 1982, com a “The Peking Conservatoire Symphony Orchestra”.

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Mãe Loura - Interacção Humorística (168)

Em 23-08-2012. Obrigado.

Mãe Loura !

Um menino chegou a casa a chorar depois de sair da escola.

- O que é que você tem? Perguntou-lhe a mãe, uma bonita e loira francesa.
  - Tive zero a geografia.
- Porquê?
- Não sabia onde fica Portugal !
- Você não sabe? Que tolo, passe-me aí o mapa de França.

E a mãe procurou, procurou ...
- Oh! Meu Deus, este mapa não é suficientemente pormenorizado;  passe-me o mapa da região.

E a mãe procurou, procurou…...
- Também nada neste mapa, passe-me o mapa do departamento. 

E a mãe procurou, procurou...
- Porra ... Portugal não pode ficar muito longe. A empregada é portuguesa e vem trabalhar todos os dias de bicicleta!

segunda-feira, 1 de janeiro de 2018